Becoming a conscious traveller


After watching a documentary, two points become relevant for establishing sustainable tourism which benefits both the visitors and the hosts. In the first place, protecting local culture is considered a multidisciplinary issue, hence must not be out of any touristic planning. Furthermore, the preservation of the environment is equally as important as the cultural heritage.

To advocate the importance of cultural protection we must analyze its roots. Why is a place relevant for tourists? Often, visitors look for either curious, pleasurable, or trendy places. Whatever the reason, if a place offers safety, considerable infra-structure (e.g. transport facilities), and good life to their inhabitants, it means, there is a potential place to be visited. Despite that, the local culture, which includes culinary traditions, music, dance and other folkloric manifestations, is a crucial point when assessing possible tourist numbers.

In respect to the environment, usually traditional societies have been looking after it for generations. Therefore, any modification of it such as wrong waste disposal, abuse of water supplies, or even simply listening to loud music, might bring arguments between locals and visitors.


In conclusion, although these two factors are closely connected, what is the most relevant is the culture. It is because environmental preservation is, normally, closely related to local culture (as said above). Moreover, to maintain this high level, visitors must respect the local habits, mostly when they are visiting very traditional cultures. It is pointless whether any holiday package has been bought, it does not allow anyone to consider travel as a simple product. Respect is the first word to be on the mind of a conscious traveller.

__________
Essay written for the Cambridge Advanced English course, The English Academy, Dublin, 2015.

There are evils that come to good

Recently, one of the most challenging issues modern societies are suffering is cyberbullying amongst schoolchildren. In order to tackle this problem, I suggest two main methods for governments to consider: school campaigns, and social media regulation.

On the matter of school campaigns, it is extremely necessary for parents, teacher and school staff to develop a large, attractive advertising strategy, which shows the consequences of cyberbullying, such as racism, revenge, isolation, mental illness, and even suicide. Encourage strong motivations into children and address their responsibilities toward building equal and respectful society, in my opinion, are bases to solidify a real citizenship spirit, where citizens would be able to contribute to a developed civilization.

With reference to social media regulation, I would say that it is a necessary evil. Why that? Because every law or rule is a way to control people's freedom. All the same, the absence of those mechanisms could generate unpredictable behavior, which could be for better, or for worse. Therefore, some agreements between people are requirements to keep them walking toward a common objective. In this case, to avoid abuses of misuse of social media, in which, unfortunately, are regularly found fake profiles used only to harass others.

Summarizing, both cited methods are urgently recommended by those wish to make amendments to our virtual environment. Although these actions should be put into place by governments, it is crucially necessary for parents and non-governmental organizations take part in these discussions. Because, as far as I am concerned, a real democracy is made by both discussion and agreement, but never by imposition.

__________
Essay written for the Cambridge Advanced English course, The English Academy, Dublin, 2015.

Mapping Indigenous from Central Brazil between 1700 and 1900 AD

A Contribution to Nimuendaju's Ethno-Historical Map using IBGE's Database, and another maps


Abstract. This workpaper locates indigenous people who dwelt the Brazilian Central Plateu and surroundings areas during the 17th, 18th, and 19th centuries. It has used as main source the Curt Nimuendaju's ethnohistorical map, made in 1944 and first published by IBGE (Brazilian Institute of Geography and Statics) in 1981. As another source of information it has used the Čestmír Loukotka's ethnolinguistic map, published by the Association of American Geographers in 1967. Furthermore, this research also carried out an unprecedented mapping of the location of ethnic groups, as well as the Luso-Brazilian settles, using the municipal historical descriptions within IBGE Cidades database. Are illustrated through temporal maps the successive occupations (and depopulation) of the indigenous region at intervals of 50 to 50 years, from the year 1700 until the year 1900. The conclusions are that there were at least 200 ethnic groups in the Brazilian Central Highlands and surrounding areas.


Keywords: Ethnogeography, Indigenous Cartography, Central Brazil

1.       Introduction

The first relevant study concerned to map the location of indigenous people in Brazil is due to Carl Martius (1867a). Said author has grouped all Brazilian indigenous language families that had news. It was the first time used the term to be named the language family now called in Brazil . His choice was based on the fact that most of the people speaking the languages of this family use the term to call yourself as Apinagez, Crangez (Senna 1908: 14), among others as Kempokatagê, Piocobjê, Kemkatejé, Kanakatejé, Krengez etc.

The language family covers most people who live (and lived) into the savannas in the states of Goiás, Minas Gerais, Bahia, Maranhão and Piaui, called in this article as Gerais of Brazilian Central Plateau at the time of the Luso-Brazilian invasions. Besides them, some Tupi, Kariris, Pimenteiras among others, were also present at this area somehow (Santos 2013).

This workpaper will seek to present through maps and tables the multi-ethnicity which existed in the Brazilian Central Highlands and surrounding areas. To do that, it was collected information from ethno cartography made by Curt Nimuendaju (2001 [1944]), Certmir Loukotka (1967), and historical maps produced during the 18th and 19th centuries, actually archived in libraries in Portugal and Brazil. In addition, it was used the IBGE Cidades' municipal historical database to increase information that has never been mapped before.

2.       Mapping Indians from Brazilian Central Plateau

Brazilian Central Plateau ethno-linguistic map around 1700 A.D. 

3.       Conclusion


This workpaper sought to present through maps and tables the multi-ethnicity which existed in the Brazilian Central Highlands and surrounding areas. In total 200 groups were identified living within this region, of whom 112 were already contained on the Nimuendaju's map. Among the 88 added, 61 were identified on the Loukotka's map, 22 from the IBGE Cidades' municipal historical database, and five in both sources.



In regards to the places where these ethnic people were located, this research identified 509 places, in which 208 were already contained in the Nimuendaju's map. The others 301 sites were extracted as follows: 154 in the Loukotka's map, 139 from IBGE Cidades' database and eight taken from historical cartography (maps archived in Portuguese and Brazilian libraries, such as Conselho Nacional Ultramarino and Sociedade Geográfica in Lisbon, Biblioteca Pública in Évora-Portugal, and Biblioteca Nacional in Rio de Janeiro).


This information about sites and ethics groups have been showed on the five attached maps.

Currently few indigenous people from Cerrado biome (Brazilian Savanna) are trapped in small native biome fragments that still remain. With the advance of monoculture (soy, eucalyptus and cattle) over these areas, certainly they will disappear, and with them a knowledge that comes from over 10,000 years on this portion of the planet Earth. To avoid this it is necessary strategies to rescue and enhancement of cultural and natural heritage of the Cerrado biome, creating protected areas and fostering projects of ethno-environmental recovery including therein the indigenous people as sources of information and as agents in this conservation.

The education of our society is fundamental to reverse this process. It is necessary that our children know the past focused on the territory of their current addresses. People suffered and lost their lives and territory to make possible the society which now uses it. The past is part of the humanity's identity. The errors were ours and therefore we have to correct them.


__________
keep reading... 
Click here in order to download the complete article from our database. 


Text presented at Pre-Conference Symposium on Atlases, Toponymy and the History of Cartography, of 27th International Cartographic Conference, organized by International Cartographic Association; and was hosted by Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica, in Rio de Janeiro, 2015.

Click here to download the presentation showed at the conference.


Click here to see the thesis which had originated the paper. 



Uma visão socioambiental sobre a fronteira no Cerrado


Resenha do livro:
Fronteira Cerrado: sociedade e natureza no Oeste do Brasil.
Goiânia: Editora da PUC Goiás; Gráfica e Editora América, 2013. 368p. ISBN 9788582640159

Organizado por:
Sandro Dutra e Silva
José Paulo Pietrafesa
José Luiz Andrade Franco
José Augusto Drummond
Giovana Galvão Tavares

Capa do livro Fronteira Cerrado: sociedade e natureza no Oeste do Brasil. Goiânia: Editora da PUC-Goiás; Gráfica e Editora América, 2013. (Org) Silva, S. D.; Pietrafesa, J. P.; Franco, J. L. A.; Drummond, J. A.; Tavares, G. G.
Capa do livro Fronteira Cerrado: sociedade e natureza no Oeste do Brasil.

O livro utiliza o conceito de “fronteira” para aglutinar artigos relacionados à sociedade e à natureza do Cerrado brasileiro. A publicação é uma continuação da parceria entre o Centro Universitário de Anápolis (Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente) e a Universidade de Brasília (Centro de Desenvolvimento Sustentável e Programa de Pós-Graduação em História), que deu origem, em 2012, ao livro História Ambiental: fronteiras, recursos naturais e conservação da natureza.

A obra é dividida em três partes: fronteiras do oeste; fronteira e natureza; e novas fronteiras. O grupo de autores que redigem os 20 textos da obra é formado em sua maioria por historiadores, mas também por cientistas sociais e biólogos, além de alguns geógrafos, administradores, contadores, engenheiros e matemáticos. A maior parte dos artigos têm como pano-de-fundo o espaço territórial do estado de Goiás. Entretanto outros estados onde há presença do bioma Cerrado foi contemplado de alguma forma em alguns artigos. 


No conjunto, trata-se de uma coletânea bastante diversificada, em termos de abordagens, cujo eixo articulador refere-se às dinâmicas de ocupação, enfrentamentos e disputas em torno do Cerrado. O livro é recomendado a pesquisadores interessados sobre a história e o ambiente do bioma Cerrado, ou
seja, a sua história ambiental.

__________
Leia na íntegra... 
Clique aqui para baixar a resenha completa a partir de nosso banco de dados. 

Clique aqui para acessar o original da resenha publicada na revista Sustentabilidade em Debate - ISSN: 2177-7675, ESSN: 2179-9067, v. 5, n. 3, p. 120-125, set/dez 2014, editada pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável, da Universidade de Brasília.
__________

SUMÁRIO
Prefácio
Lucia Lippi Oliveira

Apresentação
Os organizadores
Parte I
Fronteiras do Oeste

A certidão de nascimento de Goiás: uma cartografia histórica da Fronteira
Antônio Teixeira Neto

Coronéis e camponeses: a fronteira da fronteira e a tese da “ficção geográfica” em Goiás. 
Francisco Itami Campos 
Sandro Dutra e Silva

A Fronteira Ouro e outras fronteiras nas gerais do Oeste: história ambiental e mineração em Pilar Goiás nos séculos XVIII e XIX
Maria de Fátima, Sandro Dutra e Silva
Giovana Galvão Tavares

Fundação Brasil Central e as relações entre Estado e territórios no Brasil. 
João Marcelo Ehlert Maia

O medo dos colonizadores em relação ao indígena na expansão da fronteira colonizadora em Goiás nos séculos XVIII e XIX
Eliézer Cardoso de Oliveira

Uma cidade nos caminhos do “sertão” de Goiás
Gercinair Silverio Gandara

Sertão Cerrado
Euripedes Funes
Parte II
Fronteira e Natureza

As reservas particulares do Patrimônio Natural e a conservação da natureza na Chapada dos Veadeiros
Priscylla Cristina Alves de Lima
José Luiz de Andrade Franco

A expansão pioneira no Noroeste Paulista: os Albuns Illustrados como documentação para uma História Ambiental da fronteira (1900-1930)
Marcelo Lapuente Mahl

Fronteiras no Cerrado e terras quilombolas em Goiás: os Almeida de São Sebastião da Garganta
Julia Bueno de Morais Silva

Política de Unidades de Conservação do Estado de Goiás: avaliação da eficácia de gestão
Edna de Araújo Andrade
Genilda D’arc Bernardes

Flora do Cerrado: perspectivas para estudo de conservação biológica e bioprospecção
Mara Rúbia Magalhães
Josana de Castro Peixoto 
Mirley Luciene dos Santos

Mudanças climáticas globais e distribuição geográfica de espécies: modelo de nicho aplicado a uma espécie de cupim e de árvore do Cerrado
João Carlos Nabout
Pedro Paulino Borges
Karine Borges Machado
Érica Diniz Ferreira
Solange Xavier dos Santos
Hélida F. da Cunha
Parte III
Novas Fronteiras

Formação e expansão da fronteira agrícola em Goiás: a construção de indicadores de modernização
Fernando Pereira dos Santos
Fausto Miziara

Capital internacional e novas fronteiras na produção de bioenergias: estudo de caso de questões sócio ambientais
José Paulo Pietrafesa
Pedro Pietrafesa

Rede empresarial para expansão da soja transgênica no Cerrado goiano
Luís Cláudio Martins de Moura
Joel Orlando Beviláqua Marin

Clero católico, pequenos agricultores e grande capital no vale mato-grossense do rio Araguaia (1971-1972): a visão do Sistema Nacional de Segurança e Informações - SISNI
Dulce Portilho Maciel

Goiânia: um marco na transformação do sertão e apropriação das áreas de cerrado
Janes Socorro da Luz

Mudanças de uso do solo na Alta Bacia do Rio Araguaia e as relações com as políticas públicas de 1975 a 2010
Karla Maria Silva de Faria
Selma Simões de Castro

Conservação da biodiversidade no bioma Cerrado: ameaças e oportunidades
Roseli Senna Ganem
José Augusto Drummond
José Luiz de Andrade Franco

Sobre os Autores


__________
Leia na íntegra... 
Clique aqui para baixar a resenha completa a partir de nosso banco de dados. 

Clique aqui para acessar o original da resenha publicada na revista Sustentabilidade em Debate - ISSN: 2177-7675, ESSN: 2179-9067, v. 5, n. 3, p. 120-125, set/dez 2014, editada pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável, da Universidade de Brasília.
__________

Povos do Planalto Central e adjacências nos séculos XVII, XVIII e XIX


Resumo
O artigo localiza povos indígenas que habitavam o Planalto Central e regiões adjacentes nos séculos  XVII, XVIII e XIX. São utilizados como fonte o mapa etnohistórico de Curt Nimuendaju e o etnolinguístico de Čestmír Loukotka. Também é realizado um mapeamento inédito da localização de etnias constantes nos históricos municipais do banco de dados IBGE cidades. São ilustradas, por meio de mapas temporais as sucessivas ocupações indígenas da região em intervalos de 50 em 50 anos, desde o ano de 1700 até o ano de 1900. As conclusões são de que houve, pelo menos, 200 etnias no Planalto Central e adjacências.

Palavras-Chave: Etnogeografia; Cartografia Indígena; Índios; Brasil Central.


Introdução

O primeiro estudo relevante preocupado em mapear a localização dos povos indígenas no Brasil é devido a Carl Martius (1867a). O referido autor agrupou todas as famílias linguísticas indígenas brasileiras que se tinha notícia. Foi a primeira vez que se usou o termo “Gê” para se denominar a família linguística atualmente chamada no Brasil de Jê, sua escolha baseou-se no fato de que grande parte dos povos falantes das línguas dessa família utilizam o termo Gê para se autodenominar, como Apinagez, Crangez (Senna, 1908:14), dentre outros como, Kempokatagê, Piocobjê, Kemkatejé, Kanakatejé, Krengez etc.

A família linguística Jê abrange a maioria dos povos que vivem (e viveram) nos cerrados goianos, mineiros, baianos, maranhenses e piauienses, chamados no presente artigo de Gerais do Planalto Central, na época das invasões luso-brasileiras. Além deles, alguns tupis, kariris, pimenteiras dentre outros, também estiveram presentes de alguma forma (Santos, 2013).


Mapa Etno-linguístico do Planalto Central e adjacências - por volta do ano de 1700 d.C.
Mapa Etno-linguístico do Planalto Central do Brasil e adjacências - por volta do ano de 1700 d.C.

Conclusão

O presente artigo procurou apresentar por meio de mapas e quadros a multietnicidade que existiu no Planalto Central e adjacências. Ao total foram identificados 200 povos na região, destes, 112 já constavam no mapa de Nimuendaju. Dos 88 adicionados, 61 foram identificados no mapa de Loukotka, 22 nos históricos municipais do IBGE, e 5 em ambas fontes. 

Ao total foram 509 locais onde situavam estas etnias, apresentados nos mapas finais, sendo que 208 já constavam no mapa de Nimuendaju. Os 301 novos locais foram extraídos da seguinte forma: 154 no de Loukotka, 139 nos históricos municipais e 8 em cartografia histórica.

Atualmente os poucos povos indígenas do Cerrado estão encurralados nos pequenos fragmentos do bioma que ainda restam. Com o avanço da monocultura sobre essas áreas, certamente eles desaparecerão, e com eles, um conhecimento que vêm de mais de 10.000 anos sobre essa porção do planeta Terra. Para evitar isso é necessário estratégias de resgate e valorização do patrimônio cultural e natural do Cerrado, criando áreas protegidas e fomentando projetos de valorização etno-ambiental, incluindo aí os povos indígenas como fontes de informação e como agentes nessa conservação.

A educação da nossa sociedade é fundamental para se reverter esse processo. É preciso que nossas crianças saibam do passado incidido sob o território de suas atuais moradas. Povos sofreram para que a nossa sociedade nacional pudessem ter e ser o que é hoje. É parte de nossa identidade esse nosso passado. Os erros foram nossos e, portanto, temos que corrigi-los.

__________
continue lendo... 
Clique aqui para baixar o artigo completo a partir de nosso banco de dados. 

Artigo publicado nos anais do 2.º Simpósio Brasileiro de Cartografia Histórica, organizado pelo Centro de Referência em Cartografia Histórica da Universidade Federal de Minas Gerais; e que ocorreu na cidade de Tiradentes-MG, em 2014.

Clique aqui para baixar o material apresentado no evento.


Clique aqui para ler a Dissertação que deu origem ao artigo. 

Parque Linear do Ribeirão Cocaia - objetivos e historia

Mapas e depoimento sobre o Parque Linear do Ribeirão Cocaia. Criado em 20 de junho de 2008 pelo Decreto Municipal 49.659, com área total de 1.261.516,44 m2, no Distrito do Grajaú, zona sul da Cidade de São Paulo.


Clique nas imagens para ampliá-las


      I.                                  II.                                     III.                                        IV.                

I. Localização do Parque, destacado por um quadrado vermelho no centro da zona sul da cidade de São Paulo;

II. Primeiro limite para o parque, proposto no Plano Diretor da Cidade de 2002;

III. Cartaz de chamamento da comunidade para as oficinas de criação do parque em 2007;

IV. Limite de criação do parque de acordo com o Decreto Municipal 49.659/08.

Link da página oficial do parque no site da prefeitura:



DEPOIMENTO

   
Parte 1. Objetivos de criação do Parque*                            Parte 2. Historia da ocupação da região do Parque* 


Parte 3. Envolvimento de Rodrigo Martins dos Santos com o bairro onde foi implantado o Parque*




__________

* Depoimentos de Rodrigo Martins dos Santos, que trabalhou no projeto de criação do parque entre 2002-2009. Gravação janeiro de 2015, a pedido do conselheiro do parque Marcos Antonio Machado (Foguinho), devido ao seu interesse em conhecer e divulgar a história e importância do parque para seus frequentadores.